Houthis entregam três portos no Mar Vermelho, no Iêmen

A Organização das Nações Unidas (ONU) disse nesta terça-feira (14) que os rebeldes houthis entregaram o controle dos portos do Mar Vermelho em Hudeida, As Salif e Ras Isa, no oeste do Iêmen, para a guarda costeira iemenita, informa a agência EFE.

Os houthis representam a minoria xiita do Iêmen, que é um país muçulmano. O conflito entre eles e o governo iemenita começou em 2015, com os bombardeios aéreos no país, mas tem origens que remontam à década de 1990.

A saída dos rebeldes dos portos começou no sábado (11). É o avanço mais significativo para acabar com a guerra, que já dura quatro anos e causou fome no país por causa das restrições a importações de alimentos e outros suprimentos. Hudeida é o principal porto do Iêmen.

Uma menina desnutrida é vista no colo de seu pai em uma favela em Hodeidah, no Iêmen — Foto: Abduljabbar Zeyad/Reuters

Uma menina desnutrida é vista no colo de seu pai em uma favela em Hodeidah, no Iêmen — Foto: Abduljabbar Zeyad/Reuters

O general Michael Lollesgaard, chefe da missão da ONU na região, visitou, na terça (14), os três portos, para verificar a retirada das forças dos houthis. De acordo com a ONU, a saída “foi executada, em parte conforme o estipulado pelas partes iemenitas dentro da primeira fase”.

Em comunicado, Lollesgaard parabenizou a entrega dos portos, mas afirmou que “ainda há muito trabalho para acabar com as manifestações militares, mas a cooperação foi muito boa”. Segundo a ONU, esses passos “significativos” são a primeira parte do recuo negociado em dezembro em Estocolmo, na Suécia, considerado fundamental para manter o cessar-fogo e avançar para um possível fim negociado da guerra.

Desabrigado da cidade de Hodeida em abrigo na cidade de Sana'a, capital do Iêmen. — Foto: Khaled Abdullah/Reuters

Desabrigado da cidade de Hodeida em abrigo na cidade de Sana’a, capital do Iêmen. — Foto: Khaled Abdullah/Reuters

De acordo com o texto, o chefe da missão da ONU pediu também que as partes concluam as negociações pendentes para permitir a implantação completa do acordo.

As duas partes em conflito começaram, também na terça-feira, uma reunião em Amman, na Jordânia, para discutir a gestão e distribuição dos lucros dos portos no Mar Vermelho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *